Eventos

Exposição
Resistência Estudantil à Ditadura
10
Dezembro
2021
Local
Espaço Exposições
Piso 0
Edifício II
ISCTE-IUL

10:00 

Abertura da Exposição


11:00

Painel 1: Ativismo estudantil no período do Estado Novo

Moderação: Luísa Tiago Oliveira, docente e investigadora Iscte

Participação: Domingos Lopes, Eduardo Ferro Rodrigues, Eugénia Varela Gomes e Renato Soeiro


15:00

Painel 2: Ativismo jovem no século XXI

Moderação: Inês Caldeira, presidente da Associação de Estudantes do Iscte

Participação: Andreia Galvão, Flávio Almada, Gil Rodrigues, João Assunção


17:30

Painel 3: Youth Activism in Southern Europe in Times of Dictatorship

Moderação: Luís Nuno Rodrigues, docente e investigador Iscte

Participação: Guya Accornero, José Pacheco Pereira, Maria Kousis, Óscar Martin Garcia



O papel do movimento estudantil na resistência à ditadura

O movimento estudantil teve um papel destacado na resistência à ditadura. Acompanhou a resistência operária e a acção política clandestina, nas suas diferentes fases, anarquista, republicana (do “reviralho”), comunista, socialista e esquerdista. Nele se formaram muitos dirigentes comunistas, socialistas, católicos progressistas e esquerdistas e, por essa via, muitos milhares de estudantes participaram directamente em lutas que rapidamente perderam o carácter corporativo para se tornarem lutas políticas no pleno sentido da palavra. Foi um grande mobilizador e um grande “formador”.

Nos 48 anos de ditadura (mais longa do que as ditaduras espanhola e grega) conheceu momentos de refluxo e ascenso, mas a partir dos anos sessenta do século XX tornou-se uma constante da vida das universidades e liceus, tornando-as ingovernáveis para o regime. Comunicou com vários outros movimentos de resistência, cooperativa, sindical, cultural, social e política. A sua influência estendeu-se aos quartéis, quer pelas incorporações forçadas de dirigentes estudantis, quer pela frequência por militares de aulas nas escolas revoltadas, quer pela entrada nos quartéis, mesmo nas frentes de combate colonial, de música de protesto e das publicações estudantis sem censura. No 25 de Abril de 1974, o movimento estudantil teve de imediato um papel na mobilização política e, pela passagem nas Associações de Estudantes, muitos quadros tiveram a “preparação” necessária para o exercício de funções na nova democracia, em todas as áreas da governação, no parlamento e onde eram precisos conhecimentos técnicos e científicos associados à política de uma democracia.

Quando se aproximam os cinquenta anos de democracia, pode-se afirmar que com o movimento estudantil e o seu papel na resistência e na oposição, a democracia consolidou-se com mais rapidez e força. 

Esta exposição retrata alguns aspectos desse movimento estudantil, dos finais da década de  60 até 1974, período em que coincidiram as ditaduras portuguesa, grega e espanhola.

José Pacheco Pereira 



A exposição 'A Resistência Estudantil à Ditadura' é organizada no âmbito do projeto "Free Your Mind (FYM): Youth Activism in Southern Europe in Times of Dictatorship”, financiado pelo Programa Europa para os Cidadãos da União Europeia (Vertente 1: Memória Europeia) e coordenado por Luís Nuno Rodrigues (CEI-Iscte).


Cartaz

Voltar ao topo